Submarino.com.br
Marco Weissheimer Rotating Header Image

Marcelo Branco aponta ameaças que pairam sobre a liberdade na internet no Brasil

As ameaças sobre a liberdade na internet que pairam sobre o contexto brasileiro foram tema de uma intervenção de Marcelo Branco, durante o lançamento do 13º Fórum Internacional de Software Livre, que ocorreu nesta segunda-feira (4), no Palácio Piratini, em Porto Alegre. Militante da causa da liberdade na internet há vários anos, Marcelo Branco apontou um conjunto de problemas e ameaças que já são reais no Brasil.

As empresas operadoras de telefonia, assinalou, representam hoje uma ameaça à liberdade na internet, pois querem quebrar a neutralidade da rede. Essa neutralidade significa que todas as informações que trafegam na rede devem ser tratadas da mesma forma, navegando a mesma velocidade. Trata-se de um princípio que garante o livre acesso a qualquer tipo de informação na rede e impede, por exemplo, que as operadoras possam “filtrar” o tráfego, definindo que tipo de dados pode andar mais ou menos rápido. Para Marcelo Branco, a neutralidade na rede não precisa de regulamentação. Ou ela existe, ou não existe. O grande risco, apontou, é que essa regulamentação seja feita pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) que seria “sensível” ao lobby das operadoras.

Em segundo lugar, Marcelo Branco apontou a indústria do copyright como outra ameaça à liberdade na internet. “As empresas que compõem essa indústria querem uma internet vigiada que criminalize o usuário. Empresas como Google e Facebook podem ser nossas aliadas neste item, mas, por outro lado, ameaçam a nossa privacidade”. Neste tema (do copyright), o ativista criticou a atual gestão do Ministério da Cultura, classificando-a como “reacionária e conservadora”.

A pressão pela criminalização na internet vem crescendo em vários níveis. Marcelo Branco considerou um absurdo querer responsabilizar um provedor por um eventual crime cometido por um usuário. “É como querer responsabilizar uma operadora de celular por um crime cometido por um bandido que utilizou o telefone durante o delito ou para praticar o mesmo”. Ele também criticou a retirada de conteúdo de páginas da internet sem mandado judicial. “Isso é inaceitável em um Estado Democrático de Direito”.

Por fim, Marcelo Branco criticou a iniciativa do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) de realizar uma consulta pública sobre patenteamento de softwares. “Foi um vacilo do governo Dilma. Uma das maiores lutas do movimento de software livre mundial, foi justamente contra a implementação de patentes de software na Europa. Em 2005, a Europa rejeitou a possibilidade do software ser patenteado. Patente de software é uma ameaça a inovação, ao software livre e a liberdade do conhecimento. O Brasil não pode seguir esse caminho”, defendeu.

Foto: Caroline Bicocchi/Palácio Piratini

3 Comentários on “Marcelo Branco aponta ameaças que pairam sobre a liberdade na internet no Brasil”

  1. #1 hiram pascoal
    on Jun 5th, 2012 at 9:32 am

    Devido ao pouco tempo de uso e das inúmeras possibilidades, ainda acho prematuro qualquer intervenção profunda na regulamentação da internet. Ela deve ser observada por todos os setores sociais e depois um senso comum decidirá as normas.

  2. #2 caio
    on Jun 6th, 2012 at 12:02 pm

    Acredito que “software livre” deveria tornar-se política de estado, primeiro deveria trabalhar com força na capacitação de agentes multiplicadores no setor público: de programadores, instrutores, professores da rede de ensino, técnicos (engenheiros, economistas, administradores, biólogos…) até usuários finais de sistemas do setor público e prestadores de serviços públicos, e paulatinamente substituir os sistemas proprietários que apresentam um custo elevadíssimo de manutenção e não permitem compartilhamento das fontes, nem melhorias nos códigos dos sistemas.
    Discussão de patentes é um retrocesso, no sentido, de privilegiar grupos econômicos de desenvolvimento digital, em detrimento das redes e comunidades abertas de “software livre”.
    Sou um entusiasta da proposta, mas não especialista, em casa tenho instalado, dual boot, XP e Ubuntu, e apesar de não aproveitar plenamente o potencial do Ubuntu, faço tudo que poderia fazer no XP, sem pedir licença pra ninguém, “liberdade digital ainda que à tardinha”.

  3. #3 mineiro
    on Jun 12th, 2012 at 8:54 pm

    isso é um pano de fundo da elite representada no pig maldito para tentar barrar todo mundo que esta mostrando a verdade como ela é de fato. nao tem outra explicaçao , eles tentou com o senador vendido , madito , o azedo , isso mesmo azedo golpista e nao azeredo e nao conseguiu nada , agora eles estao usando outra estrategia e com a conivencia dos traidores de min do governo dilma . estao conivente sim , principalmente o zero a esquerda do bernado , agora estao dizendo que o min da cultura esta no bolo. entao temos que ir em cima deles , é outro golpe perpetrado pela direita burguesa , golpista e aliada do pig maldito.

Deixe um comentário